Blog

IPCA de setembro fica em 0,35%

IPCAIPCA de setembro fica em 0,35%

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de setembro apresentou variação de 0,35% e ficou acima da taxa de 0,24% registrada no mês de agosto em 0,11 ponto percentual. Contando com setembro, a variação no ano foi para 3,79%, próxima a de igual período de 2012, quando havia se situado em 3,77%. Considerando os últimos 12 meses o índice ficou em 5,86%, abaixo dos 6,09% relativos aos 12 meses anteriores. Em setembro de 2012 a taxa havia ficado em 0,57%.

A publicação completa da pesquisa pode ser acessada na páginawww.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultinpc.shtm.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, cinco mostraram resultados superiores aos verificados no mês anterior e quatro ficaram abaixo:

Foi o Transporte que, de agosto para setembro, apresentou a mais forte aceleração, passando de -0,06 % para 0,44%. Com isto, o impacto em setembro foi de 0,08 ponto percentual ao passo que, em agosto, havia ficado em -0,01 ponto, uma diferença de 0,09 ponto percentual. No topo dos principais impactos, as passagens aéreas se destacaram, com 0,08 ponto percentual tendo em vista a alta de 16,09%. Além disso, as tarifas dosônibus urbanos se apresentaram estáveis, deixando o fim da queda no mês de agosto, cuja taxa foi de -0,20%. Por outro lado, o litro da gasolina caiu mais do que em agosto, passando de -0,15% para -0,42%, enquanto a variação de preços do litro de etanol foi de -1,16% em agosto para -0,72% em setembro.

Alimentação e Bebidas também subiu, passando de 0,01% em agosto para 0,14% em setembro já que osalimentos de consumo no domicílio saíram de -0,34% para -0,03%, configurando uma queda bem menos intensa de um mês para o outro. Os principais produtos em alta encontram-se a seguir, com destaque para opão francês, que ficou 3,37% mais caro:

Quanto aos alimentos em queda no mês, o destaque ficou com o feijão carioca, que ficou 13,95% mais barato e exerceu o principal impacto para baixo, com -0,04 ponto percentual. Outros produtos também apresentaram queda, como é mostrado a seguir:

Em Habitação, que passou de 0,57% em agosto para 0,62% em setembro, a pressão foi exercida pelo gás de botijão (de 0,28% para 2,01%), aluguel residencial (de 0,74% para 0,80%) e artigos de limpeza (de 0,35% para 0,71%). Mesmo assim houve redução na taxa de itens com peso expressivo no orçamento das famílias, como condomínio (de 0,92% para 0,23%), mão de obra para pequenos reparos (de 1,08% para 0,60%) eenergia elétrica (de 0,57% para 0,36%).

Os artigos de Vestuário também mostraram aceleração nos preços de agosto para setembro, saindo de 0,08% para 0,63%, com destaque para as roupas femininas (de -0,37% para 1,43%) e calçados (de -0,11% para 0,58%), enquanto o grupo Saúde e Cuidados Pessoais manteve o mesmo nível do mês anterior, com 0,45% em agosto e 0,46% em setembro.

Do lado dos grupos que apresentaram redução nas taxas em relação ao mês anterior, os itens mobiliário (que passou de 1,22% em agosto para -0,19% em setembro) e conserto de equipamentos domésticos (que foi de 1,16% para 0,84%) foram destaques nos Artigos de Residência (de 0,89% para 0,65%). Nas Despesas Pessoais (de 0,39% para 0,20%) sobressaíram os itens recreação (indo de 0,80% para -0,24%) eempregados domésticos (de 0,53% para 0,46%).

Dentre os índices regionais, o maior foi o de Brasília (0,70%), onde as passagens aéreas, com peso de 2,11% e variação de 17,68%, causaram impacto de 0,37 ponto percentual. O menor foi o índice de Salvador (0,03%) em virtude dos alimentos consumidos no domicílio, que apresentaram queda de 1,17%:

IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange nove regiões metropolitanas do país, além de Brasília e do município de Goiânia. Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 29 de agosto a 30 de setembro de 2013 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de julho a 28 de agosto de 2013 (base).

INPC variou 0,27% em setembro

Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) apresentou variação de 0,27% em setembro, acima do resultado de 0,16% de agosto. Com isto, a variação no ano está em 3,61%, abaixo da taxa de 4,11% relativa a igual período de 2012. Considerando os últimos doze meses, o índice situou-se em 5,69%, abaixo dos 6,07% dos doze meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2012 o INPC havia ficado em 0,63%.

Os produtos alimentícios apresentaram variação de 0,05% em setembro, enquanto os não alimentíciosficaram em 0,37%. Em agosto, os resultados foram -0,14% e 0,29%, respectivamente.

Dentre os índices regionais, o maior foi o de Porto Alegre (0,63%) onde os alimentos, apresentaram variação de 1,28%. O menor índice foi o de Salvador (-0,06%) em virtude da queda de 1,16% nos preços dos alimentos consumidos no domicílio:

O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de um a cinco salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange nove regiões metropolitanas do país, além de Brasília e do município de Goiânia. Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 29 de agosto a 30 de setembro de 2013 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de julho a 28 de agosto de 2013 (base).

 

Comunicação Social
09 de outubro de 2013

Sobre a FLS Pesquisa

Empresa especializada em pesquisas e marketing, com objetivo de melhorar a qualidade dos serviços e produtos dos parceiros e clientes, primando sempre pelo planejamento, autenticidade, prazo e eficiência.

Tel.:+55(11) 2362-6499 | fls@flspesquisa.com.br

Logo-Conre